Publicidades

27/02/2020 | 05:45 | Geral

Égua da Brigada Militar morre no pátio do Beira-Rio antes de Inter x Tolima

Justiceira tinha 19 anos e estava com a corporação desde os seis

A cena da agitação e queda do animal chamou a atenção de quem passava na área do pátio do Beira-Rio - Internauta/Divulgação


A égua Justiceira, 19 anos, acompanhava o batalhão montado da Brigada Militar que trabalha em Inter e Tolima quando sofreu um mal súbito e morreu. A cena da agitação e queda do animal chamou a atenção de quem passava na área do pátio entre o edifício-garagem e o portão 1 do Beira-Rio, por volta das 19h30min desta quarta-feira (26).


Mara Lúcia Rodrigues, segurança do clube, estava ao lado da passagem do batalhão. Ela escapou por pouco de ser prensada pela égua que caiu na parede do edifício-garagem:


— Nunca andei a cavalo, tenho muito medo. Depois dessa, tenho mais ainda — contou, ainda assustada, minutos depois do ocorrido, ainda em seu local de trabalho. 


A égua pertencia ao 4º Regimento de Cavalaria da Brigada Militar há 14 anos. O subcomandante do regimento, major Luiz Felipe dos Santos, conta que em 2021 começariam a pensar em aposentar o animal por completar 15 anos de serviços prestados.


Segundo oficial, Justiceira e todos cavalos da corporação passam por uma checagem veterinária em dias de trabalho. Ela passou a quarta-feira em condições perfeitas de saúde:


— Tenho 20 anos lidando com animais, e esta é a segunda vez que vejo um cavalo falecer assim, do nada. A suspeita é que tenha sido algo no coração, mas dependemos do laudo veterinário — comentou.


— A gente fica sentido, porque se afeiçoa pelo animal. São nossos companheiros de trabalho, nos acostumamos e confiamos uns nos outros. Até quem não convivia com ela fica sensibilizado — lamentou major.

Fonte: Gaúcha ZH

Mais notícias desta categoria

Publicidades


Mario Junior designer