Contador de visitas

utilizadores online
22/09/2017 | 05:57 | Política Tensão entre aliados marca chegada da segunda denúncia contra Temer à Câmara Atrito com o presidente da Casa, Rodrigo Maia (DEM-RJ), em disputa por filiações preocupa o Planalto no momento em que o Legislativo vai decidir futuro de Temer

Foto: ANDRÉ DUSEK / ESTADÃO CONTEÚDO


A crise surgida entre PMDB e DEM, no momento do envio da segunda denúncia contra Michel Temer à Câmara, acendeu o sinal de alerta no Palácio do Planalto. O próprio presidente, que voltou de Nova York nesta quinta-feira, irá atuar como mediador, jogando panos quentes no atrito criado após a disputa entre as duas siglas por deputados do PSB, classificada como “facada nas costas” pelo presidente da Câmara, Rodrigo Maia (DEM-RJ). Um encontro entre os dois será marcado nos próximos dias.


A tentativa do Planalto é de manter a aparente tranquilidade, apesar da recente derrota no Supremo Tribunal Federal (STF) e do descontentamento de partidos menores com o espaço dado ao PSDB no primeiro escalão. Temer quer reforçar a ideia de mal-entendido. A intenção é contestar a declaração de Maia de que há tentativa de enfraquecer a bancada do DEM, além de manter o deputado ao lado do Executivo. A hipótese de que a proximidade das eleições de 2018 motivaria o presidente da Câmara a descolar sua imagem do Planalto também preocupa.


Integrante da tropa de choque de Temer, o deputado Carlos Marun (PMDB-MS) acredita que o desconforto causado pelas declarações de Maia será “facilmente revertido”:


– É uma coisa que surpreende. Mas é uma coisa que se resolve em conversa entre os dois.


O parlamentar atribui a desavença – ampliada após a filiação do senador Fernando Bezerra (PSB-PE) ao PMDB, apesar de ter sido cortejado pelo DEM – a disputas políticas locais. Marun avalia que a situação não trará impactos ao enfrentamento da denúncia na Câmara.


O vice-líder do governo na Casa, Beto Mansur (PRB-SP), também ameniza a desavença. Segundo ele, Temer não agiu na disputa por parlamentares.


– O presidente não está preocupado em trazer parlamentares ao PMDB. Ele está preocupado com o país – rebate Mansur.


Responsável por elaborar um mapa dos prováveis votos dentro da Comissão de Constituição e Justiça (CCJ), onde a denúncia começa a tramitar, Mansur passará o final de semana analisando a postura dos deputados que integram o colegiado. O levantamento embasará a estratégia do Planalto para vencer as acusações.


Oposição diz que briga na base pode enfraquecer o governo


Integrante da CCJ e um dos principais críticos de Temer, Alessandro Molon (Rede-RJ) apela aos colegas para que não atrapalhem o trabalho do STF, autorizando a análise da investigação pela Corte. O parlamentar avalia que as disputas na base aliada poderão enfraquecer o governo.


– O conflito mostra que a base de sustentação está desmoronando, e uma base fragmentada vai ter mais dificuldades para barrar o andamento da segunda denúncia – sustenta Molon.


A deputada Maria do Rosário (PT-RS), outra titular da CCJ, afirma que a estratégia da oposição será estimular a pressão da população sobre os parlamentares, além de mostrar as desavenças internas que, segundo ela, são causadas pela disputa por cargos e emendas.


– É possível que no contexto da segunda denúncia cresça a contradição entre setores de dentro do governo – projeta Maria do Rosário.


O Planalto ainda mantém vigilância em outros focos de incêndio na base, como a pressão pela diminuição do espaço do PSDB no primeiro escalão. Partidos menores, como PR, PSD e Solidariedade cobram cargos em troca do apoio que deram para barrar a primeira denúncia, em agosto.

Fonte: Gaúcha ZH


Localizar notícia:

Jornalista Responsável: Paulo Airton Pires Marques
Reg. Prof. MTE/DRT/RS n° 16408
CNPJ: 15251707/0001-48
Telefone: 55 99645-2601(Whatsapp)
E-mail: paulomarquesnoticias@paulomarquesnoticias.com.br
Rua Professor Del Aglio, 128, Três de Maio-RS - CEP 98910-000