Contador de visitas

utilizadores online
22/10/2017 | 20:39 | Política Lula diz que, se eleito, fará referendo para revogar medidas de Temer Declaração foi dada em entrevista a jornal espanhol

Lula Marques / Agência PT


O ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT) afirmou, em entrevista ao jornal espanhol El Mundo, que vai propor um referendo revogatório de "muitas das medidas aprovadas" pelo governo de Michel Temer, como uma proposta para recuperar o país caso seja eleito presidente em 2018. 


—O Brasil tem que voltar a ser governado pensando na maioria e não em poucos, por isso a primeira medida que penso em implantar é um referendo revogatório de muitas das medidas aprovadas por Michel Temer. É criminoso ter uma lei que limite durante 20 anos o investimento do Estado. No Brasil, ainda faltam coisas básicas, como saneamento, tratamento de água, casas — disse.


O ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT) afirmou, em entrevista ao jornal espanhol El Mundo, que vai propor um referendo revogatório de "muitas das medidas aprovadas" pelo governo de Michel Temer, como uma proposta para recuperar o país caso seja eleito presidente em 2018. 


—O Brasil tem que voltar a ser governado pensando na maioria e não em poucos, por isso a primeira medida que penso em implantar é um referendo revogatório de muitas das medidas aprovadas por Michel Temer. É criminoso ter uma lei que limite durante 20 anos o investimento do Estado. No Brasil, ainda faltam coisas básicas, como saneamento, tratamento de água, casas — disse.


Na entrevista, ele disse que quer voltar a ser presidente para mostrar ao mundo que o país pode funcionar. 


— Não há ninguém que saiba governar o povo mais necessitado como eu faço — afirmou.


O ex-presidente creditou a crise vivida no país à perda de credibilidade, algo que, segundo ele, foi efeito das manifestações iniciadas em junho de 2013. Lula também reconheceu que houve erros no mandato da ex-presidente Dilma Rousseff. Segundo ele, o primeiro deles foi o "exagero" nas políticas de desoneração de grandes empresas e, o segundo, foi o anúncio do ajuste fiscal. Mas negou que tenha se arrependido de não ter concorrido nas eleições presidenciais de 2014.


Ele ainda comparou o ano de 2015 com o de 1999, quando quem governava era o ex-presidente Fernando Henrique Cardoso, que tinha baixa popularidade e também enfrentava problemas econômicos. 


— Mas, nessa ocasião, o presidente da Câmara era Michel Temer e ele o ajudou a governar. Nós tínhamos Eduardo Cunha, que rejeitou cada reforma que Dilma propunha. Foi quem levou o impeachment ilegítimo à frente — analisou.


Condenado em primeira instância no caso do tríplex do Guarujá, Lula voltou a criticar a Polícia Federal e o Ministério Público, dizendo que não encontraram prova contra ele e que a sentença do juiz Sergio Moro é "política". 


— Se acreditavam que uma condenação iria fazer eu desistir de ser candidato, conseguiram o efeito contrário.


Perguntado se o PT tem outras opções caso ele não possa concorrer por causa de uma eventual condenação em segunda instância, ele respondeu que espera poder concorrer, mas disse que ninguém é imprescindível.


— Há milhares de Lulas.

Fonte: Gaúcha ZH


Localizar notícia:

Jornalista Responsável: Paulo Airton Pires Marques
Reg. Prof. MTE/DRT/RS n° 16408
CNPJ: 15251707/0001-48
Telefone: 55 99645-2601(Whatsapp)
E-mail: paulomarquesnoticias@paulomarquesnoticias.com.br
Rua Professor Del Aglio, 128, Três de Maio-RS - CEP 98910-000