Publicidades

04/07/2020 | 07:44 | Geral

Em meio ao rastro de destruição do 'ciclone bomba' e falta de energia, moradores da Serra de SC enfrentam frio intenso

Com casas destelhadas e sem possibilidade de utilizar aquecedores, moradores improvisam instalações para aguentar temperaturas abaixo de zero

Fogão à lenha é usado para aquecer casas que estão sem energia elétrica ? Reprodução/ NSC TV


Em meio ao rastro de destruição causados pela passagem do "ciclone bomba" como destelhamento e queda de energia, os moradores da Serra catarinense improvisam as instalações para encarar o frio intenso. Durante a manhã desta sexta-feira (3), as temperaturas chegaram a -5,4°C na região.


Em Lages, onde foram registrados mais de 200 destelhamentos após a passagem do fenômeno que ocorreu na tarde de terça-feira (30), mais de 31 mil imóveis estão sem energia elétrica até a 15h desta sexta, de acordo com as Centrais Elétricas de Santa Catarina (Celesc).


Com o telhado destruído com o vento e sem luz para os aquecedores, o fogão à lenha foi a única saída para tentar suportar o frio dentro da casa do marceneiro João Vanderlei Alves Lisboa.


"Colocamos a lona pra não chover e não entrar mais frio porque o teto está todo quebrado", explica.



Com a parte da casa danificada e frestas entre as madeiras causadas pelas fortes rajadas de vento, Aleide Aparecida da Silva e do Marcos Arruda improvisaram uma área na cozinha para enfrentar a manhã gelada, que chegou a 1°C no município.


"É muito vento durante a noite e congela. A gente não dorme, ficamos preocupados que pode vir outro ciclone e com a chuva que pode molhar o restante das coisinhas que temos", afirma Marcos.



O fogão à lenha tem funcionado durante todo o dia para deixar o ambiente aquecido.


"Se não tiver não aguentamos o frio. O fogão fica ligado 24 horas e tem que ter lenha. Mas, minha lenha está acabando, dinheiro não temos, é difícil", disse Aleide.



A Secretaria de Assistência Social de Lages disse que ao menos 400 famílias precisam de ajuda com cestas básicas e telhas. Quem quiser ajudar pode fazer as entregas nos Centros de Referência de Assistência Social (CRAS) nos bairros da cidade.


"Além da necessidade de alimento e de roupas, nós problemas das residências que estão danificadas, destruídas. Nesse momento, as nossas equipes da Assistência Social, da Habitação e Manutenção já estão na ativa recuperando algumas casas com telhados, com portas e janelas que foram danificadas por causa da ventania", disse Valdir Gobby.

Fonte: G1

Mais notícias desta categoria

Publicidades