Publicidades

28/10/2020 | 06:21 | Geral

Temporada de verão em Santa Catarina deverá ter protocolos sanitários rígidos nas praias

Três dos quatro municípios contatados pela reportagem sequer permitem, no momento, a permanência de banhistas na faixa de areia

Praia de Quatro Ilhas, em Bombinhas: prefeitura orienta o afastamento, mas não impede os turistas de ficar na faixa de areia - Setur Bombinhas / Divul

Os dias quentes se aproximam e com eles chegam os feriados prolongados e as férias de verão. Como de costume, um dos destinos preferidos dos gaúchos para dias de descanso são as águas transparentes das praias de Santa Catarina. Contudo, a próxima temporada exigirá um planejamento diferente dos veranistas. Alguns municípios estão com protocolos mais restritos de uso da praia, com o objetivo de diminuir as aglomerações na beira-mar em função da pandemia de coronavírus. As restrições podem ser afrouxadas, mas também há chance de que aumentem conforme o comportamento da doença. E, por enquanto, as previsões não são animadoras.
A situação da pandemia no Estado vizinho não está controlada. Pelo contrário. Segundo o boletim epidemiológico mais recente de Santa Catarina, divulgado na segunda-feira (26), o Estado tem 247.477 pacientes com covid-19, 3.041 mortos pela doença e uma taxa de letalidade de 1,23%. De acordo com análise feita pelo Núcleo de Estudos de Economia Catarinense (Necat) da Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC), a Grande Florianópolis registra, desde o início de outubro, uma elevação expressiva da taxa de expansão do número de novos casos da doença.  
O grupo de pesquisadores relatou que a taxa de transmissão da covid-19 está em ascensão. O relatório ressalta que "na primeira semana de outubro esse percentual foi de 7% (mais que o dobro verificado nas demais microrregiões), enquanto na segunda semana de outubro tal percentual saltou para 8,5%. Já na terceira semana esse percentual atingiu 12%. Esse valor reverte uma tendência observada nesse espaço geográfico ao longo de todo o mês de setembro e indica uma reaceleração forte do contágio, que, sem dúvida alguma, é o principal foco atual de contaminação no Estado". 
Na tentativa de conter o coronavírus, logo no início da pandemia, o governo de Santa Catarina restringiu a circulação de pessoas por meio de diversos decretos. Além disso, prorrogou, em 15 de outubro, até o final do ano o estado de calamidade pública.  
Pelo decreto estadual, está proibida a permanência de pessoas nas praias, sendo permitidas somente a pesca ou a prática de atividades físicas individuais. A lei também libera que bares e restaurantes coloquem mesas e cadeiras na areia, desde que elas tenham distanciamento entre si. O decreto abre a brecha para que, nas acomodações dos bares, os banhistas tenham liberdade para ficar.  
A reportagem tentou contato com a Secretaria da Saúde de Santa Catarina, para saber que outras políticas estão no radar da pasta, mas não obteve retorno até o fechamento desta reportagem. 
Forte fiscalização 
Similar ao distanciamento controlado no Rio Grande do Sul, o Estado vizinho tem um de sistema de coloração das regiões, que muda semanalmente, conforme os níveis de contágio por coronavírus aumentam ou diminuem. Por isso, é difícil prever quais regras valerão para os municípios com uma antecipação de sete dias. O que fontes ouvidas apontam é que haverá forte fiscalização e patrulha dos agentes públicos locais para que os decretos sanitários sejam cumpridos. 
Apesar da volatilidade das bandeiras, Estanislau Bresolin, presidente da Federação de Hotéis, Restaurantes, Bares e Similares de Santa Catarina (Fhoresc), se mostra confiante em relação à temporada que se aproxima: 
— Estamos animados para os feriados de novembro e dezembro, mas também para as férias. Tivemos bons índices de ocupação das praias nos dois últimos feriados, e a tendência é de que isso se repita. Assim como nos anos anteriores, esperamos a forte presença gaúcha aqui pela região da Grande Florianópolis. Estamos com operação reduzida em 50% nos hotéis e restaurantes do Estado, mas os estabelecimentos seguem recebendo reservas e os bares estão em funcionamento. Acreditamos que não iremos regredir nessa taxa de ocupação, estamos nela faz três meses.  
Imbituba  
Quem já prevê esse reforço de turistas é o município de Imbituba, que abriga as praias do Rosa, de Ibiraquera e do Luz. Aliás, a primeira localidade citada causou polêmica no último dia 12. Isso porque imagens de centenas de pessoas aglomeradas em casas de festa e na faixa de areia da Praia do Rosa correram o Brasil. Para tentar coibir concentrações de pessoas naquela magnitude, a prefeitura da cidade traçou estratégias que valerão a partir desta terça-feira (27) e também para feriadão de Finados, em 2 de novembro.  
O prefeito Rosenvaldo da Silva Júnior definiu que haverá blitz da Lei Seca e barreiras sanitárias. Quanto ao entorno de rios e lagoas, um decreto publicado nesta terça-feira definiu que fica proibida a "concentração e permanência de pessoas". Além disso, está vetado "acessar os locais (...) com cadeiras, guarda-sóis, caixa de som, bebidas e coolers de bebidas e similares".  
— Estamos alinhando as ações para os próximos fins de semana e, em especial, para o feriadão. Serão necessárias medidas mais intensas de fiscalização para que se tenha um controle melhor das aglomerações em tempos de pandemia — disse o chefe do Executivo de Imbituba.  
Rosenvaldo destacou ainda que os bombeiros e a Polícia Civil foram contatados também para seja possível ter "um grande número de pessoas fiscalizando a cidade, ajudando a manter o controle das normas sanitárias e, assim, evitando as aglomerações". Caso a situação epidemiológica do Estado vizinho não arrefeça, a tendência é de que a cidade permaneça com regras mais restritivas.   
Marcio Perfeito, diretor da Associação Comercial e Industrial de Imbituba (Acim),  ressalta que os regramentos mudam conforme a identificação de cor determinada pelo Estado e por decretos da prefeitura:  
— Hoje ninguém consegue projetar como será o funcionamento de bares, restaurantes e hotéis no verão porque tudo é muito volátil e a doença pode sofrer inclinação de melhora ou de piora. No momento, os estabelecimentos podem permanecer com música ao vivo até meia-noite e abertos até o horário previsto em alvará. Acreditamos que os horários de funcionamento podem ser flexibilizados, mas a expansão de capacidade, não. Os hotéis e pousadas estão recebendo reservas e estão operando com 50% da sua capacidade, seguindo todos os protocolos sanitários exigidos.  
Florianópolis 
Por meio de nota, a assessoria de imprensa da prefeitura de Florianópolis afirmou que já para o feriado prolongado de 2 de novembro também valerão as regras de permissão para ir à praia "somente para praticar exercícios físicos na areia ou na água, não podendo permanecer na área parado". Além disso, foi reforçada a obrigação de uso de máscara e a proibição de realização de esportes aquático coletivos. Esportes individuais podem ser praticados desde que o distanciamento seja respeitado.  
A assessoria de imprensa da prefeitura da capital catarinense reforçou ainda que vai "seguir os protocolos estabelecidos pelo governo estadual e observar a situação epidemiológica do município". Vale notar que, segundo análise do Necat-UFSC, Florianópolis apresentou significativo crescimento no número de infectados ao longo de outubro. Na primeira semana do mês, esse dado foi de 7%, na segunda, de 8%, e na terceira, 14%.  
Bombinhas 
Conhecida internacionalmente pelas praias das Quatro Ilhas, do Mariscal e da Conceição, a cidade de Bombinhas vai na contramão dos municípios acima citados. O Executivo local orienta o afastamento entre os banhistas e comerciantes, mas não impede os turistas de permanecer na faixa de areia.  
Em decreto publicado em 2 de outubro — ainda válido —, foi informado que é necessário manter o distanciamento de 1,5 metro de banhistas e outros usuários e prestadores de serviço da praia, evitando contato físico. É recomendado que o indivíduo pratique o afastamento de três metros entre guarda-sóis e cadeiras de outros grupos.   
Além disso, a prefeitura local informa que é obrigatório o uso de máscara por todos os usuários e prestadores de serviço nas praias, durante banhos de mar e ao praticar alguma atividade de lazer ou esportiva na água. Dentro do mar, deve ser mantido distanciamento de dois metros entre banhistas de outros grupos ou pessoas que não são do seu convívio. 
Por meio de nota, a assessoria de imprensa de Bombinhas afirmou que os protocolos seguem as recomendações dos órgãos de saúde e que "é preciso que todos colaborem para a segurança de todos, principalmente, os turistas. Todos devem estar atentos ao distanciamento social, uso de máscara, higienização frequente das mãos, evitar o compartilhamento de objetos". 
Palhoça 
Berço da Praia da Pinheira, da Guarda do Embaú, do Sonho, entre outras, o município de Palhoça também está planejando a Operação Verão 2020-2021. Na última semana, o Executivo se reuniu com representantes da Secretaria de Segurança Pública, da Polícia Militar, da Polícia Civil, do Corpo de Bombeiros e da Guarda de Trânsito local. Segundo a assessoria de imprensa da cidade, o objetivo é reforçar as ações de fiscalização.  
Em relação às regras de uso da praia, a cidade também proíbe a permanência de pessoas, individual ou coletivamente, na areia e nas cachoeiras locais. A exceção fica com aqueles que praticam esportes aquáticos sozinhos, a pesca de arrasto e a realização de exercícios físicos, seguindo as regras de isolamento social e com o uso de máscara. Por outro lado, o município libera a permanência da população nos ambientes ao ar livre, como parques, praças, calçadões, durante finais de semana e feriados, devendo ser observadas as regras de distanciamento social e a utilização de máscaras. 

Fonte: GZH

Mais notícias desta categoria

Publicidades