Publicidades

01/05/2021 | 17:44 | Geral

Jorge Lemainski assume a Embrapa Trigo

Luiz Magnante/Embrapa Trigo

Escolhido em seleção interna, o agrônomo Jorge Lemainski assume neste sábado a Chefia Geral da Embrapa Trigo, de Passo Fundo, no lugar de Osvaldo Vasconcellos Vieira. O mandato é de dois anos e pode ser renovado até o limite de seis. O engenheiro agrônomo Giovani Faé assume a chefia de Transferência de Tecnologia. O pesquisador José Eloir Denardin segue na chefia de Pesquisa e Desenvolvimento e o analista Denilson Focking na de Administração.

 

Lemainski é natural de Alegria, tem 63 anos e cursou Agronomia na Universidade de Passo Fundo. 

 

Iniciou na profissão em consultoria agrícola na região noroeste do RS, onde também foi vereador. Em 1989 rumou para o Brasil Central, onde trabalhou nas esferas agrícola e política durante 25 anos.

 

Entrou na Embrapa Cerrados (em Planaltina-DF), em 1997, atuando na área de difusão de tecnologias. Fez mestrado em Ciências Agrárias na Universidade de Brasília, de 2001 a 2003. Trabalhou na assessoria parlamentar até 2014, quando voltou para Passo Fundo-RS para compor a área de transferência de tecnologia da Embrapa Trigo. Entrou na gestão da Unidade como chefe-adjunto de Transferência de Tecnologia em 2017, deixando a função agora para assumir a Chefia Geral.

 

- A Embrapa revolucionou a produção de alimentos no Brasil e no mundo, de forma eficiente e sustentável. Hoje, de cada 10 pessoas no mundo, uma se alimenta a partir do que o agronegócio brasileiro produz. Somos parte deste resultado e participar deste processo é uma satisfação pessoal - declara Jorge Lemainski.

 

Ampliar a área de cultivos de inverno no Brasil é o foco da gestão que inicia agora.

 

- A nossa meta é fazer o Brasil chegar a 4 milhões de hectares de trigo no período de cinco anos. Um crescimento de 170% na área, especialmente nas regiões Sul e Brasil Central - projeta Lemainski.

 

No projeto de expansão, ele prevê o crescimento na área de cultivo com trigo nos próximos dois anos aumentando em 100 mil ha no Brasil Central (somados aos cerca de 200 mil ha cultivados em 2020) e outros 200 mil ha na Região Sul (hoje com 2,1 milhões de ha). 

Fonte: Rádio Colonial

Mais notícias desta categoria

Publicidades