Publicidades

17/06/2022 | 06:19 | Geral

Diretoria da Petrobras informa ao conselho de administração que vai reajustar combustíveis

Reunião extraordinária do colegiado ocorreu nesta quinta-feira para debater pedido do governo de segurar preços; gasolina e diesel estão com valores defasados

Reajuste deve ser anunciado nos próximos dias e o aumento deve valer a partir da próxima semana - Anselmo Cunha / Agencia RBS

Um novo aumento dos preços dos combustíveis deve ser anunciado pela diretoria da Petrobras nos próximos dias. Conforme o jornal Valor Econômico, o reajuste pautou a reunião extraordinária do conselho de administração da empresa que durou cerca de três horas entre o fim da tarde e o início da noite desta quinta-feira (16). No encontro, a diretoria da estatal informou ao conselho a intenção de aplicar o reajuste, mas não foi discutido o percentual da alta dos valores cobrados pela gasolina e o diesel no país, que atualmente estão em defasagem na comparação com os preços praticados no mercado global. 

A reunião teria sido convocada de forma emergencial pelo presidente do conselho, Márcio Weber. O colunista do jornal O Globo, Lauro Jardim, apurou que o anúncio do reajuste deve ocorrer já nesta sexta-feira (17), e o aumento seria válido a partir da próxima semana.

A reunião desta quinta-feira, que teve início logo após as 16h, teve como objetivo debater a proposta de "seguir ordem (do governo) de segurar preços" de combustíveis. Oficialmente, a assessoria de imprensa da Petrobras não confirma as informações.

Durante o encontro, os conselheiros da estatal avaliaram ainda que a definição de preços é de competência da diretoria da empresa, e não do conselho da companhia, segundo o que prevê o estatuto da Petrobras.

De acordo com o Valor, a companhia estaria preparada para realizar novo aumento nos preços desde o começo da semana, mas teria optado por segurá-lo, a pedido da União. O jornal diz também que o governo federal pediu para a Petrobras esperar aprovação, agora já realizada no Congresso Nacional, de projeto de lei que limita em até 17% a alíquota de ICMS sobre combustíveis, energia elétrica, serviços de telecomunicações e transporte público. 

Um dos objetivos do governo com a lei é deixar preços de gasolina e diesel mais baratos ao consumidor. Mas Estados afirmam que o teto do ICMS vai provocar queda de arrecadação e prejudicar a prestação de serviços à população.

A companhia mantém os preços do diesel nas refinarias inalterados desde 10 de maio. Já a gasolina foi reajustada pela última vez em 11 de março.

Fonte: GZH

Mais notícias desta categoria

Publicidades