Publicidades

18/06/2022 | 05:36 | Geral

Liderança indígena de SC faz homenagem a Bruno e Dom na Europa: 'Exemplo de luta e resistência'

Kerexu Yxapyry esteve em Bruxelas, na Bélgica, junto com comitiva da Articulação dos Povos Indígenas do Brasil.

Ato foi realizado em frente ao Parlamento Europeu - Reprodução/ Redes Sociais

A liderança indígena Kerexu Yxapyry, do território indígena do Morro dos Cavalos, de Palhoça, na Grande Florianópolis, participou de uma manifestação em memória do indigenista Bruno Pereira e do jornalista Dom Phillips em Bruxelas, na Bélgica, nesta sexta-feira (17). A ação aconteceu em frente ao prédio do Parlamento Europeu.

Dom e Bruno estavam desaparecidos desde 5 de junho, enquanto faziam uma viagem na terra indígena do Vale do Javari (AM). O avião com restos mortais chegou em Brasília na quinta-feira (16).

  • "Bruno e Dom foram e continuarão sendo exemplo de luta e resistência em defesa dos povos indígenas e das nossas florestas, destacou Kerexu durante sua fala.

Kerexu, coordenadora executiva nacional da Articulação dos Povos Indígenas do Brasil (Apib), integra uma comitiva de lideranças que exige ao Parlamento Europeu a inclusão das demandas dos povos indígenas na nova lei anti-desmatamento. O grupo está no continente desde 8 de junho.

O objetivo é chamar a atenção sobre o desmonte das políticas e das instituições de proteção aos povos da floresta por parte do atual governo brasileiro.

"Defendemos uma legislação que estabeleça diretrizes e sanções de rastreabilidade das commodities em todos os biomas do Brasil, inclusive Mata Atlântica, onde Santa Catarina está assentada, e que considerem os povos e os nossos territórios", defendeu Kerexu, ao lembrar também do Cerrado, Pantanal, Pampa e Caatinga.

Desaparecimento
Dom e Bruno estavam desaparecidos desde 5 de junho, enquanto faziam uma viagem na terra indígena do Vale do Javari (AM). Duas pessoas foram presas por envolvimento no crime.

A Polícia Federal informou, em nota divulgada nesta sexta, que as investigações apontam que não houve mandante ou organização criminosa envolvida no crime. Segundo o texto, a apuração continua e novas prisões podem ocorrer, mas o inquérito aponta "que os executores agiram sozinhos".

Fonte: G1

Mais notícias desta categoria

Publicidades