Publicidades

25/07/2022 | 12:18 | Geral

Brasileiro tem dias de ''rico'' na Argentina

Turistas do Brasil foram 22% do total de 2,5 milhões de viajantes recebidos pela Argentina no primeiro semestre de 2022

Reprodução internet

A economia da Argentina vem enfrentando desafios: além da inflação de 70% prevista para o fechamento de 2022, a moeda está em queda livre. A perda acumulada no ano é de 25% em relação ao dólar e de quase 18% ante o real. Se isso é negativo para quem vive no país, tem sido um "paraíso" para os turistas brasileiros, que veem a Argentina como um dos poucos destinos internacionais onde o poder de compra do real cresce, ao invés de diminuir.

Apesar da queda do turismo na pandemia, o fluxo de brasileiros começa a se normalizar. Turistas do Brasil foram 22% do total de 2,5 milhões de viajantes recebidos pela Argentina no primeiro semestre de 2022.

Segundo informações divulgadas no último fórum Panrotas, do setor de turismo, em maio último, o total de visitantes brasileiros no país já superou o resultado do mesmo mês de 2019. Por isso, as companhias aéreas estão ampliando voos nesse trajeto. O total de frequências (voos de ida ou volta) da Latam entre São Paulo e Buenos Aires, que era de 14 até junho, chegará a 28 em agosto.

Quem viajou para a Argentina nesta retomada já criou "macetes" para esticar o valor dos reais. 

 — Troco os reais que transfiro do Brasil para a Western Union (rede de transferências internacionais), que paga muito melhor do que os cambistas. Chegamos a trocar R$ 1 por 55 pesos — disse a relações-públicas Rebeca Pileggi, 30 anos. — No mesmo dia, um "arbolito", como são chamados os cambistas que ficam na famosa Rua Florida, no centro da capital argentina, oferecia 42 pesos por R$ 1 — completa.

Rebeca é de São Paulo, mas se tornou uma profissional nômade na pandemia. Viveu um tempo na Itália com o marido e, há duas semanas, eles chegaram a Buenos Aires para ficar por tempo indeterminado.

— Viemos para ficar porque compensa a cotação. A vantagem é muito grande, não só de bens de consumo, mas no preço de aluguel, serviços públicos e em geral — disse.

Mas a oscilação do câmbio na Argentina faz crescer a tensão dos brasileiros na hora de trocar dinheiro.

— Não sabemos realmente o valor, cada um coloca o seu preço — disse Nilton Azevedo, 36 anos, engenheiro eletricista.

Em cinco dias, ele observou a desvalorização da moeda argentina:

— Quando chegamos, a cotação estava a 51 (pesos por real); hoje, vimos a 56. Há preços diferentes entre os cambistas, o que faz a gente procurar o melhor valor — contou ele, ao lado da mulher, Priscila Vieira, 32 anos, cientista de computação.

De qualquer forma, o casal de Campina Grande (PB) achou o câmbio bastante vantajoso. Inicialmente, os dois iriam permanecer cinco dias em Buenos Aires, mas esticaram a estadia por dez dias.

— Decidimos ficar mais porque o dinheiro está rendendo — disse Priscila.

As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.

Fonte: GZH

Mais notícias desta categoria

Publicidades