Publicidades

06/08/2022 | 07:20 | Saúde

Secretaria da Saúde confirma 20 casos da varíola dos macacos no RS

São sete mulheres e 13 homens. Porto Alegre é a cidade que reúne o maior número de registros.

Partícula do vírus da varíola dos macacos; OMS detectou cerca de 80 casos em 12 países - SCIENCE PHOTO LIBRARY

O Rio Grande do Sul chegou nesta sexta-feira (5) a 20 casos de varíola dos macacos (monkeypox) confirmados. Conforme a Secretaria Estadual da Saúde (SES), do total, são sete mulheres e 13 homens.

O primeiro caso da doença no estado foi registrado no dia 12 de junho. Na ocasião, era o terceiro caso do país. O Brasil já registrou uma morte em razão da varíola dos macacos.

Casos confirmados por município:

 

 

Prevenção ao contágio

 

A nota técnica da Secretaria de Saúde ainda orienta que profissionais da saúde evitem contágio entre si. A recomendação da pasta é de que sejam implementadas medidas de prevenção e controle de infecção nas unidades de saúde.

"Os serviços de saúde devem elaborar, disponibilizar de forma escrita e manter disponíveis, normas e rotinas dos procedimentos envolvidos na assistência aos casos suspeitos ou confirmados de Monkeypox", diz o comunicado. Portanto, as unidades devem informar.

 

  • Fluxo dos pacientes dentro do serviço de saúde
  • Procedimento de colocação e retirada de equipamento de proteção individual (EPI)
  • Procedimento de remoção e processamento de roupas, artigos e produtos usados na assistência
  • Rotinas de limpeza e desinfecção de superfícies
  • Rotinas para remoção dos resíduos
  • Rotina de transporte dos pacientes

 

 

O que é a varíola dos macacos?

 

A varíola dos macacos é uma doença viral rara transmitida pelo contato próximo com uma pessoa infectada.

A transmissão pode ocorrer pelas seguintes formas:

 

  • Por contato com o vírus – com um animal, pessoa ou materiais infectados, incluindo através de mordidas e arranhões de animais, manuseio de caça selvagem ou pelo uso de produtos feitos de animais infectados. Ainda não se sabe qual animal mantém o vírus na natureza, embora os roedores africanos sejam suspeitos de desempenhar um papel na transmissão da varíola às pessoas.
  • De pessoa para pessoa – pelo contato direto com fluidos corporais como sangue e pus, secreções respiratórias ou feridas de uma pessoa infectada, durante o contato íntimo – inclusive durante o sexo – e ao beijar, abraçar ou tocar partes do corpo com feridas causadas pela doença. Ainda não se sabe se a varíola do macaco pode se espalhar através do sêmen ou fluidos vaginais.
  • Por materiais contaminados que tocaram fluidos corporais ou feridas, como roupas ou lençóis;
  • Da mãe para o feto através da placenta;
  • Da mãe para o bebê durante ou após o parto, pelo contato pele a pele;
  • Úlceras, lesões ou feridas na boca também podem ser infecciosas, o que significa que o vírus pode se espalhar pela saliva.

Fonte: G1

Mais notícias desta categoria

Publicidades