Logomarca Paulo Marques Notícias

27/01/2024 | 15:55 | Cultura

Primeira edição da Noite no MEA reúne mais de 500 pessoas

Com performances, teatro, projeção, degustação de produção orgânica e arte circense, evento uniu famílias em noite de cultura e educação ambiental.

Com performances, teatro, projeção, degustação de produção orgânica e arte circense, evento uniu famílias em noite de cultura e educação ambiental.
Performance ?O corpo d?água?, com Natalia Strapasson. Crédito: Jonas Santos / Divulgação MEA.

A última sexta-feira (26), trouxe uma nova fase para cena cultural do Noroeste do Rio Grande do Sul. Com a Noite no MEA, as famílias foram convidadas a explorar o ambiente do Memorial após o sol se pôr. Artistas performáticos, palhaços, bonecos, biólogos e observadores de pássaros foram alguns dos personagens que tomaram a noite diferente e instigante.

 

“A Noite no MEA é um evento que contará com diversas edições durante o ano. Tem caráter educativo, cultural e socioambiental, promovendo lazer, aprendizado e experiências diferenciadas”, explicou Carla Borba, coordenadora do Educativo, Cultural e Socioambiental do MEA. 

Ela destaca que a programação foi pensada de forma coletiva, para que todas as atividades trouxessem uma reflexão para o público sobre o foco da noite, uma vez que 26 de janeiro é o Dia Internacional da Educação Ambiental, data instituída na década de 1970 pelas Nações Unidas para fomentar uma maior conscientização sobre a preservação e a sustentabilidade ambiental e social.  

Uma programação para refletir 

O sol ainda estava no horizonte quando as primeiras famílias chegavam para o evento. Tudo era inédito: a visitação após o horário de expediente, a programação e a forma de circulação pelo espaço. 

Um dos primeiros contatos de quem chegava ao Memorial era a performance “O corpo d’água”, elaborada por Daiana Hartmann, que atua no eixo Poéticas Contemporâneas do MEA, e apresentada pela artista horizontinense Natalia Strapasson. A apresentação buscou representar, por meio do figurino e dos movimentos corporais da jovem artista, as águas, provocando o público a pensar em como usamos esse importante recurso.

Outro artista local, Will Dance, trouxe para a Noite no MEA uma vertente mais urbana e contemporânea de dança. Com uma roupa toda produzida a partir de reciclagem de tecidos -  um tema bastante importante atualmente - ele buscou instigar sobre os diferentes usos e reusos dos materiais.

Já o grupo teatral A Turma do Dionísio, de Santo Ângelo, trouxe uma apresentação sobre lendas indígenas. O espetáculo, de atores e bonecos (feitos com materiais da cultura indígena, como taquara e porongo), lotou o ateliê educativo e buscou ressaltar a importância da cultura dos povos originários e da relação deles com a natureza. 

Uma noite de experimentações 

Além das atividades reflexivas, quem esteve no MEA também pôde experienciar de forma mais prática uma série de atividades. A Cia Circense Burzun, lembrou que o circo é uma expressão ligada ao reaproveitamento e propôs que adultos e crianças se divertissem com malabares oriundos de materiais recicláveis.  

O paladar também foi acionado. A Escola Semente da Paz  trouxe à Cozinha Experimental delícias da culinária local baseada na tradição Ayurveda, cujo objetivo é promover o equilíbrio e a nutrição do corpo por meio de uma alimentação feita com ingredientes naturais. No cardápio para degustação, bolos de ora-pró-nóbis e castanha com melado chamavam a atenção do público. 

Na área externa, o projeto Dispersar apresentava aos visitantes as diferentes aves da região da fronteira noroeste do Rio Grande do Sul. As crianças corriam pelo gramado, brincavam e se revesavam para fazer a observação na luneta disposta em frente ao letreiro do Memorial e nos binóculos trazidos pelo grupo de  pesquisadores. Ao lado, uma projeção mostrava diversas espécies registradas em vídeo pelos membros do projeto.  

“Para nós é uma experiência única estar aqui, pois é muito importante mostrar a nossa biodiversidade regional e conscientizar as pessoas. Trazer o nosso trabalho para cá é uma forma de fazer conservação e preservação ambiental”, pontuou Gabriel Brutti, biólogo, professor, fotógrafo e responsável pelo projeto.  

Impressões

Muitas pessoas aproveitavam o espaço do Memorial para tirar fotos. Outras, conferiam atentas os detalhes da exposição. Crianças de várias idades percorriam tanto a área externa quanto a interna, e as quadras esportivas registraram intenso movimento.

Para as amigas Andréia Vogel, de 33 anos, e Karen Campos, de 37, o MEA  é o ponto de encontro que faltava na região. “Foi muito bacana abrir à noite, principalmente pelas atrações. Sentíamos falta de termos um espaço que unisse tantas expressões artísticas e também onde pudéssemos encontrar as pessoas”, comentou Andréia. 

Já Fernanda Bohnert, de 46 anos, trouxe os filhos gêmeos Lucas e Isabele, de 9 anos para conhecer o espaço. “Eu já queria ter vindo, mas com a correria da rotina ainda não havia conseguido. Está tudo muito lindo, muito organizado, muito tecnológico. Para as crianças é ainda mais interessante, pois eles escutam o pai e o avô falarem dessa história, de como aconteceu a evolução da mecanização aqui em Horizontina, e agora estão podendo vivenciar tudo isso”, disse.

“Para nós, do Instituto John Deere, o MEA representa a face social e cultural necessária para o fortalecimento de práticas mais sustentáveis e de fomento à pesquisa. Pensar a evolução agrícola, é nos colocarmos diante do maior desafio contemporâneo, a vida humana no planeta. E “Noite no MEA” tem por propósito, trazer, a cada edição, abordagens relevantes aos temas globais”, pontua Karina Muniz Viana - Museóloga e Diretora do MEA.

Sobre o MEA 

O MEA - Memorial da Evolução Agrícola é um complexo de arte, cultura, educação, meio ambiente, esporte e lazer localizado em Horizontina, no Noroeste do Rio Grande do Sul. De forma tecnológica e imersiva, o Memorial conta a história da agricultura no País através de uma perspectiva humanizada, com o objetivo de provocar, trocar e produzir conhecimento em prol da sociedade e da diversidade cultural brasileira. 

Além do espaço da exposição de longa duração e das oficinas culturais, o complexo conta com quadras esportivas, academia a céu aberto, cozinha experimental, atelier educativo, oficinas culturais, playground, loja, espaço para feira ao ar livre, unidade do Senai e a John Deere Store, tornando-se um ambiente de convivência, cultura e educação. 

Idealizado pelo Instituto John Deere e viabilizado pelo Programa Nacional de Apoio à Cultura, conta com a John Deere Brasil e a SLC Agrícola entre seus patrocinadores máster e outros grandes apoiadores e doadores. O apoio é da FAHOR - Faculdade de Horizontina e da Prefeitura Municipal de Horizontina. O projeto de arquitetura do complexo foi desenvolvido pela Liberali Arquitetura e o projeto museográfico é assinado pela Straub Design.

Serviço:

MEA - Memorial da Evolução Agrícola. 

Todas as atividades são gratuitas e de classificação livre.

Horário de funcionamento do prédio Memorial: de quarta a domingo e feriados, das 9h às 17h. 

Horário de funcionamento da Área externa: de terça a domingo e feriados, das 8h às 22h. 

Mais informações: contato@mea.org.br

Fonte: Renata Cardoso / Assessoria MEA
Mais notícias sobre CULTURA