Logomarca Paulo Marques Notícias

21/04/2024 | 11:09 | Política

Minuta do golpe, Musk e Moraes: o que esperar dos discursos no ato pró-Bolsonaro no Rio de Janeiro

Evento busca reunir apoiadores do ex-presidente para demonstração de apoio

Com o avanço das investigações da Polícia Federal (PF) sobre uma tentativa de golpe de Estado, o ex-presidente Jair Bolsonaro (PL) convocou nova manifestação para este domingo (21), na Praia de Copacabana, no Rio de Janeiro. Como na edição anterior, em São Paulo, o evento busca reunir milhares de apoiadores para uma demonstração de apoio popular ao ex-mandatário, que é suspeito de envolvimento na trama golpista que culminou nos ataques de 8 de Janeiro.

O ato na Avenida Paulista, em fevereiro, foi marcado por um pedido de anistia de Bolsonaro para os presos do 8 de Janeiro e pela grande presença de bandeiras de Israel após o presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT) comparar as ações militares israelenses ao Holocausto. Desta vez, a manifestação é impulsionada pela campanha disseminada pelo bilionário Elon Musk contra o Supremo Tribunal Federal (STF), o Tribunal Superior Eleitoral (TSE) e o ministro Alexandre de Moraes.

O pastor Silas Malafaia, que participa da organização do ato, não esconde que o movimento deste domingo pretende capitalizar a discussão criada por Musk, que acusa Moraes de promover censura nas redes sociais. Em 2022, o bilionário comprou o Twitter (agora X) por US$ 44 bilhões. De lá para cá, a plataforma não só mudou de nome como também alterou os seus termos de uso, dificultando o trabalho da Justiça brasileira.

Para Musk e aliados de Bolsonaro, as decisões de Moraes no âmbito do inquérito das milícias digitais têm atropelando os princípios do devido processo legal, restringindo a liberdade de expressão por meio da remoção de perfis em redes sociais. Para especialista ouvido pelo Estadão, o ministro do Supremo atravessou o limite em nome da democracia e por achar que redes são risco.

— (Vamos repercutir) o que o Elon Musk denunciou e que, com todo o respeito, já venho fazendo faz dois anos, inclusive chamando o (ministro) Alexandre de Moraes de ditador da toga — afirmou Malafaia, neste sábado (20), sobre os discursos do ato. 

Ele acrescentou que a minuta do golpe, documento encontrado pela PF que, em resumo, previa uma intervenção no Poder Judiciário para impedir a posse do presidente Lula, também será tema do evento.

Investigações policiais apontam que Bolsonaro não apenas tinha conhecimento da minuta, como também teria dado sugestões para a redação final do decreto de teor golpista. A estratégia dos bolsonaristas é dizer que a minuta golpista trata-se da "maior fake news da história do Brasil". 

— Nós vamos destroçar essa conversa fiada — disse o pastor sobre os apontamentos da polícia.

No ato de fevereiro, Bolsonaro buscou minimizar a existência do documento. 

— Golpe é tanque na rua, é arma, é conspiração. Nada disso foi feito no Brasil. Por que continuam me acusando de golpe? Porque tem uma minuta de decreto de estado de defesa. Golpe usando a Constituição? Deixo claro que estado de sítio começa com presidente convocando conselho da República. Isso foi feito? Não — disse.

A manifestação bolsonarista deste domingo está prevista para começar às 10h. Ao todo, é esperada a presença de 60 parlamentares e pelo menos três governadores, incluindo o chefe do Executivo paulista, Tarcísio de Freitas (Republicanos). A previsão é a de que no máximo dez pessoas discursem, contando com Jair e Michelle Bolsonaro, Malafaia e os congressistas Magno Malta, Nikolas Ferreira e Gustavo Gayer.

A ex-primeira-dama Michelle, que em São Paulo falou ao público por 15 minutos, deve repetir o discurso e o tom religioso das declarações, ao lado do marido. Em um vídeo publicado na última sexta-feira, 12, em seu perfil no Instagram, Michelle convidou para o ato no Rio dizendo que eles vão "mostrar para o mundo" que estão "posicionados em Deus".

Veja quem confirmou presença

  • Flávio Bolsonaro (PL-RJ), senador;
  • Eduardo Bolsonaro (PL-SP), deputado federal;
  • Carlos Bolsonaro (PL-RJ), vereador do Rio;
  • Michelle Bolsonaro (PL), presidente do PL Mulher e ex-primeira-dama;
  • Cláudio Castro (PL), governador do Rio;
  • Jorginho Mello (PL), governador de Santa Catarina;
  • Tarcísio de Freitas (Republicanos), governador de São Paulo;
  • Carlos Portinho (PL-RJ), senador;
  • Hiran Gonçalves (PP-RR), senador;
  • Izalci Lucas (PL-DF), senador;
  • Jorge Seif (PL-SC), senador;
  • Magno Malta (PL-ES), senador;
  • Marcos Rogério (PL-RO), senador;
  • Rogério Marinho (PL-RN), senador e ex-ministro do Desenvolvimento Regional de Bolsonaro;
  • Wilder Moraes (PL-GO), senador;
  • Alexandre Ramagem (PL-RJ), deputado federal e pré-candidato à prefeitura do Rio de Janeiro;
  • Abílio Brunini (PL-MT), deputado federal;
  • Altineu Côrtes (PL-RJ), deputado federal;
  • Amália Barros (PL-MT), deputada federal;
  • André Fernandes (PL-CE), deputado federal;
  • Bia Kicis (PL-DF), deputada federal;
  • Cabo Gilberto Silva (PL-PB), deputado federal;
  • Capitão Alberto Neto (PL-AM), deputado federal;
  • Carlos Jordy (PL-RJ), deputado federal;
  • Caroline de Toni (PL-SC), deputada federal;
  • Chris Tonietto (PL-RJ), deputada federal;
  • Coronel Chrisóstomo (PL-RO), deputado federal;
  • Coronel Meira (PL-PE), deputado federal.
Fonte: GZH
Mais notícias sobre POLÍTICA