Publicidades

27/10/2020 | 16:43 | Educação

Estudante do CFJL participa de projeto da Academia de Ciências de Nova York

CFJL - Marketing

O baixo número de mulheres em carreiras STEM (Ciência, Tecnologia, Engenharia e Matemática) foi um dos motivos que levou a Academia de Ciências de Nova York a criar o programa “1000 meninas, 1000 futuros”. Dados da Unesco mostram que, no mundo, menos de 30% do total de cientistas são mulheres. A estudante do 2º ano A do Centro Tecnológico Frederico Jorge Logemann - CFJL, Giovana Bachmann da Silva ficou sabendo do projeto pelas redes sociais, fez sua inscrição e foi uma das selecionadas para participar.

As inscrições encerraram em julho e, para se candidatar, era necessário ser menina, estar no Ensino Médio e ter interesse pelas áreas de STEM. Giovana precisou preencher um formulário com informações pessoais, currículo e enviar uma redação de até 500 palavras explicando porque gostaria de fazer parte do programa. Cada participante também conta com uma mentora, uma mulher com formação ou que trabalha nas áreas de STEM. A mentora de Giovana é Jessica Walsh, pesquisadora na área de neurociência na Universidade de Stanford.

Giovana iniciou as atividades ainda mês de setembro e, até agora, já ocorreram diversos eventos e atividades online, para integrar as meninas e as profissionais que participam do programa. O primeiro módulo de mentoria já iniciou e discute sobre a prontidão acadêmica, sendo que todas as estudantes já recebem suporte das mentoras durante os módulos.

A estudante do CFJL afirma ter interesse nas áreas propostas pelo projeto e que contar com mentoras, profissionais bem sucedidas em suas áreas de atuação, já gera muito aprendizado. “Eu me interessei muito pelo programa, porque por meio dele tenho a oportunidade de conhecer cientistas e jovens do mundo todo. E também gostei muito do curso, que busca auxiliar na escolha da carreira dentro das áreas de STEM, além de abranger o desenvolvimento de habilidades para o século XXI, enfatizando a liderança, comunicação, pensamento crítico e preparação para a faculdade”, relata a estudante.

Giovana também explicou que, a partir do momento em que foi aceita no programa, tornou-se uma jovem membra da Academia de Ciências de Nova York. Isso lhe confere alguns benefícios, como: acesso a artigos, notícias, publicações e eventos exclusivos, além de um convite para participar da conferência promovida pela Global STEM Alliance, que deve acontecer presencialmente em Nova York, em 2021. O programa finaliza em junho de 2021.

Fonte: CFJL - Marketing

Mais notícias desta categoria

Publicidades