Publicidades

21/11/2020 | 06:13 | Polícia

Caso Carrefour: pandemia aflorou também o vírus do ódio, avalia psiquiatra

Psiquiatra avaliou série de agressões seguidas de morte no Estado e na região

Reprodução

A Pandemia aflorou o ódio nas pessoas. Foi o que avaliou o psiquiatra Carlos Hecktheuer.

Nos últimos dias vários episódios de agressões com morte foram registrados onde a população usou da justiça com as próprias mãos e a situação terminou com mortes.  Nesta semana um apenado que matou uma idosa em Carazinho foi morto dentro do presídio pelos outros.

Um homem que foi acusado de importunar uma mulher em Nova Prata foi espancado até a morte no centro da cidade. No caso mais recente, um homem negro foi espancado até a morte em um supermercado de porto alegre na véspera do dia da consciência negra. Sobre o assunto a Uirapuru conversou com o psiquiatra Carlos Hecktheuer.

O psiquiatra disse que a pandemia aflorou um novo tipo de vírus entre as pessoas, o vírus do ódio e da intolerância.  Muitas pessoas colocaram pra fora toda sua frustração e agressividade, protegidas por um sentimento de impunidade. O efeito manada, onde um segue o outro, está sendo percebido quando a agressão é coletiva.

O psiquiatra avaliou que as muitos agressores enxergam no suposto culpado o próprio mal, aquilo de ruim que querem retirar de si mesmos.  O psiquiatra avaliou ainda que há um descontrole geral e distanciamento cada vez maior dos limites. Para Hecktheuer, sem controle, sem punição, crimes como os últimos serão cada vez mais comuns.

Fonte: Paulo Marques Notícias/Rádio Uirapuru

Mais notícias desta categoria

Publicidades