Publicidades

24/11/2020 | 18:50 | Polícia

Fiscal do Carrefour que aparece nos vídeos da morte de João Alberto Freitas é presa e será indiciada por homicídio

Adriana Alves Dutra foi detida nesta terça-feira (24), em Porto Alegre

Adriana Alves Dutra, de branco - Reprodução / Arquivo Pessoal

A fiscal do Carrefour Adriana Alves Dutra foi presa na tarde desta terça-feira (24), de acordo com a Polícia Civil. A prisão é temporária, com validade de 30 dias. Ela se apresentou ao Palácio da Polícia com seu advogado. GZH tenta contato com a defesa de Adriana, mas não obteve retorno até o momento.


A polícia entende que Adriana tinha o poder naquele momento de cessar as agressões a partir do fato de que era a superior imediata dos homens responsáveis pela segurança. Segundo a polícia, ela será indiciada por homicídio doloso triplamente qualificado, assim como os agentes.


João Alberto Silveira Freitas, 40 anos, foi morto após ser espancado por dois seguranças na noite de quinta-feira (19). Adriana Alves Dutra, agente de fiscalização do supermercado, aparece nos vídeos que foram gravados por testemunhas, andando ao redor da vítima, e parece dar ordens por meio de um rádio. Ao ver que está sendo filmada, ela tenta impedir e discute com pessoas. 

 

Segundo a Polícia Civil, Adriana tem uma atuação determinante na morte de João Alberto por estar no comando dos dois seguranças que o espancaram, Giovane Gaspar e Magno Borges. 

 

— Ela anuiu com essa conduta no momento em que faz algumas informações que foram capturadas em áudio e inclusive divulgadas em vídeo pelas redes sociais — afirmou a delegada Roberta Bertoldo.

 

Em depoimento à polícia, Adriana disse que estava no setor de bazar quando foi chamada para atender a situação de um cliente que estaria em atrito com outra funcionária. Relatou que, ao chegar no local, "um cliente que trajava roupa preta, que soube ser policial militar, estava apaziguando a situação e já conversava com a vítima na intenção de acompanhá-la com o fiscal de piso Magno até a saída". 

 

"Que Jéssica relatou à depoente que a vítima seria uma pessoa agressiva e que havia entrado em atrito com fiscais de loja em outras datas. No momento da chegada da depoente, a vítima estava tranquila e foi acompanhada pelo policial e pelo fiscal. Tendo a vítima empurrado uma senhora e foi novamente orientado pelo cliente/policial a deixar disso e se acalmar. Que a vítima desferiu um soco no policial, momento em que se embolaram. Que a depoente fez a solicitação para chamar a Brigada, pelo rádio, e ligou para o Samu, quando viu sangue, e que a vítima havia desmaiado. Que a vítima proferia xingamentos durante a contenção, mas não ouviu a mesma pedir ajuda. Que a depoente pediu várias vezes aos rapazes que largassem a vítima", diz trecho do depoimento.

 

Magno Braz Borges e Giovane Gaspar da Silva, os seguranças que bateram em João Alberto Freitas, foram detidos em flagrante no dia do crime e estão cumprindo prisão preventiva no momento.

Fonte: GZH

Mais notícias desta categoria

Publicidades