Publicidades

21/01/2021 | 07:09 | Política

Primeiras medidas de Biden como presidente dos EUA são volta à OMS e compromisso com Acordo de Paris

Medidas foram tomadas por Donald Trump e foram anuladas pelo novo governo

Biden assinou também a obrigatoriedade do uso de máscaras em prédios federais e a suspensão das obras do muro com o México - POOL / GETTY IMAGES NORTH

O presidente americanoJoe Biden, assinou nesta quarta-feira (20) uma série de decretos, inclusive uma ordem para que o país volte a estar comprometido com o Acordo Climático de Paris e um documento para anular a decisão de deixar a Organização Mundial da Saúde (OMS).

 

— Vamos combater as mudanças climáticas de uma forma que não tínhamos tentado até agora — disse Biden a jornalistas, após assinar os decretos que incluem medidas de proteção ambiental, mas também normas para combater a pandemia de covid-19.

O presidente indicou que suas ações contra a covid-19, que deixou mais de 400 mil mortos no país, "ajudarão a mudar o curso da crise".

 

Entre as medidas está a obrigatoriedade do uso de máscaras em instalações federais, transporte interestadual e para funcionários do governo central. Outra decisão adotada é a suspensão das obras do muro de fronteira com o México e iniciativas para ampliar a diversidade e a participação das minorias no governo federal.

 

Biden procura distanciar-se do ex-presidente Donald Trump e definir o rumo de seu governo com esta série de medidas. O retorno ao Acordo do Clima de Paris, que os Estados Unidos adotaram em 2016 durante a presidência de Barack Obama, quando Biden era vice-presidente, foi elogiado por outros líderes.

— Bem-vindo — comemorou o presidente da França, Emmanuel Macron.

 

O Secretário-Geral da ONU, Antonio Guterres, celebrou a decisão, mas pediu a adoção de um plano "ambicioso" contra o aquecimento global.

 

— Esperamos a liderança dos Estados Unidos na aceleração do esforço global em direção ao zero (em emissões de carbono), incluindo a apresentação de uma nova contribuição nacional com metas ambiciosas para 2030 e financiamento climático antes da COP26 em Glasgow no final deste ano —  acrescentou.

 

Os assessores de Biden anunciaram que ele aprovaria 17 decretos, mas a imprensa teve que deixar o gabinete antes que o presidente terminasse de assinar os documentos.

Fonte: GZH

Mais notícias desta categoria

Publicidades