Publicidades

30/06/2021 | 06:28 | Política

Ministério da Saúde anuncia exoneração de diretor após relatos de suposta propina na compra de vacina

Decisão deve ser publicada no Diário Oficial da União desta quarta-feira

Diretor de Logística do Ministério da Saúde, Roberto Ferreira Dias Marcello - Casal Jr / Agencia Brasil

Em nota divulgada na noite desta terça-feira (29), o Ministério da Saúde anunciou a exoneração do diretor de Logística da pasta, Roberto Ferreira Dias. Segundo o comunicado, a decisão foi tomada nesta manhã, e a exoneração será publicada no Diário Oficial da União desta quarta-feira (30).


"O Ministério da Saúde informa que a exoneração de Roberto Dias do cargo de Diretor de Logística da pasta sairá na edição do Diário Oficial da União desta quarta-feira (30). A decisão foi tomada na manhã desta terça-feira (29)", diz a nota.


O diretor foi citado por Luiz Paulo Dominguetti Pereira, representante da empresa Davati Medical Supply no Brasil, que afirmou ao jornal Folha de S.Paulo ter recebido de Dias um pedido de propina de US$ 1 por dose de vacina contra a covid em troca da assinatura de um contrato para venda dos imunizantes. 

 

As declarações do representante da Davati também estão na mira da CPI da Covid. Segundo o presidente da comissão, senador Omar Aziz (PSD-AM), o depoimento de Dominguetti será marcado para esta sexta-feira (2).

 

Empresário relata suposto pedido de propina


Segundo a reportagem da Folha de S.Paulo, Dominguetti afirma que a exigência de propina teria ocorrido durante um jantar em um restaurante de um shopping de Brasília, no dia 25 de fevereiro — mesmo dia em que foi assinado o contrato do governo federal com a Precisa Medicamentos para a compra de vacinas indianas Covaxin.

 

Dias foi indicado ao cargo pelo líder do governo de Jair Bolsonaro na Câmara, Ricardo Barros (PP-PR). O deputado está envolvido nas suspeitas que cercam a negociação da Covaxin, após ter o nome citado pelo deputado federal Luis Miranda (DEM-DF), em depoimento à CPI da Covid. Segundo Dominguetti, o propina implicaria em um aumento de US$ 1 no valor cobrado por dose.

 

A empresa Davati buscava negociar 400 milhões de doses da vacina AstraZeneca por US$ 3,50 cada. O imunizante da AstraZeneca é aplicado no Brasil a partir de um contrato com a Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz).

 

No jantar, diz Dominguetti, o diretor do ministério estava acompanhado por duas pessoas, um militar do Exército e um empresário de Brasília. O representante da empresa diz que recusou o pedido de propina, que consistiria em um adicional de US$ 1 a cada dose comercializada.

 

A Folha diz que tentou entrar em contato com Dias ao longo do dia e não houve retorno. Em publicação no Twitter, Ricardo Barros negou que tenha indicado Roberto Ferreira Dias ao cargo que ocupa no Ministério da Saúde. "Desconheço totalmente a denúncia da Davati", afirmou. 

Fonte: GZH

Mais notícias desta categoria

Publicidades