Publicidades

17/11/2021 | 05:56 | Esporte

Brasil e Argentina empatam sem gols pelas Eliminatórias

Já classificada para a Copa do Mundo, Seleção Brasileira terminou o calendário de 2021 com um 0 a 0 na casa do rival

Juan Mabromata / AFP

Em um clássico equilibrado, com troca de farpas e até uma cotovelada, o Brasil empatou com a Argentina em 0 a 0 na noite desta terça-feira (16), pela 14ª rodada das Eliminatórias Sul-Americanas e adiou em alguns minutos a classificação matemática dos Hermanos para a Copa do Mundo de 2022. Já garantida no Mundial do ano que vem, a Seleção Brasileira chegou aos 35 pontos, enquanto os argentinos têm 29 e contaram com a derrota do Chile para o Equador (que jogaram mais tarde) para cravar sua vaga no Catar.

E desta vez, a bola rolou em campo. Se no encontro passado entre Brasil e Argentina o jogo foi interrompido logo nos primeiros minutos por agentes da Anvisa e pela Polícia Federal pelo descumprimento de protocolos sanitários por parte de jogadores argentinos, que deveriam cumprir quarentena de 15 dias por terem vindo do Reino Unido, desta vez nada atrapalhou a realização da partida no estádio Bicentenário, em San Juan, no país vizinho.

A Seleção Brasileira não teve Neymar, lesionado, Casemiro, suspenso, além de Thiago Silva e Gabriel Jesus fora por opção de Tite. A Argentina contou com o retorno de Messi e apenas uma troca em relação ao time que conquistou a Copa América no Maracanã, em julho, com a entrada de Molina no lugar de Montiel na lateral direita.


No início da partida, o Brasil teve dificuldade na saída de bola, especialmente devido à marcação alta da seleção argentina. Com as linhas baixas e sem Neymar para ajudar a prender mais a bola, a alternativa brasileira foi contra-atacar. Quando conseguia roubar a bola, logo tratava de acionar Matheus Cunha e Vinícius Júnior em velocidade.

Apesar da postura agressiva da Argentina, a primeira grande chance do jogo foi do Brasil. Aos 17, Lucas Paquetá lançou Vinícius Júnior, que saiu cara a cara com o goleiro. Ele tentou uma cavadinha, mas mandou para fora. Logo depois, aos 19, Matheus Cunha viu o Martínez adiantado e tentou de antes do meio-campo, mas a bola encobriu a meta argentina.

O Brasil melhorou no jogo e começou a pressionar a saída de bola dos argentinos também. Tanto que o primeiro lance de perigo dos donos da casa foi aos 30 minutos, quando Di María tocou para Lautaro Martínez. Ele invadiu a área e finalizou, mas foi travado por Marquinhos e a bola saiu pela linha de fundo.

Aos 35, Raphinha pressionava Otamendi para tentar roubar a bola quando levou uma cotovelada do zagueiro argentino. O brasileiro ficou com a boca sangrando, mas o árbitro Andres Cunha, mesmo após conversar com o VAR, não marcou nada e nem sequer advertiu o defensor.

No final do primeiro tempo, ainda teve uma finalização perigosa de cada lado. Aos 38, o Brasil tentou de fora da área com Fred, mas Martínez pegou firme. Depois, aos 40, De Paul finalizou da entrada da área e Alisson feliz belíssima defesa para manter o placar zerado para o intervalo.


Para o segundo tempo, a Argentina voltou com Lisandro Martínez e Joaquín Correa nas vagas de Paredes e Lautaro Martínez. A partida, porém, seguiu disputada e com lances ríspidos de lado a lado. Aos 14 minutos, Vinícius Júnior sofreu falta à esquerda da área adversária. Raphinha jogou na área, a defesa cortou e, na sobra, Fred chutou no travessão.

O lance mais bonito do jogo, porém, aconteceu aos 19 minutos. Vinícius Júnior buscou uma bola junto à bandeirinha de escanteio. Marcado por Molina, ele deu uma linda carretilha (ou lambreta, como preferir) no lateral argentino. O atacante do Real Madrid tentou jogar na área, mas houve o corte. Ainda assim, a jogada mereceu destaque pela plasticidade do drible.

A tentativa de Tite para buscar o gol foi a entrada de Antony na vaga de Raphinha, aos 23. Mas quem quase marcou foi Vinícius Júnior, que dominou a bola na área, limpou o marcador, mas bateu fraco, nas mãos de Emi Martínez.

Na reta final, a partida teve mais disputas e encaradas do que jogadas perigosas. Só deu tempo para Messi tentar, aos 44, um chute da entrada da área que foi nas mãos de Alisson. Assim, o 0 a 0 no placar foi justo no principal clássico do futebol sul-americano.

Agora, as duas seleções voltam a campo apenas no ano que vem, para a 15ª rodada das Eliminatórias. Pela data-base divulgada pela Conmebol, as partidas serão realizadas no dia 27 de janeiro. O Brasil enfrentará o Equador, em Quito, e a Argentina encara o Chile, em Santiago.

FICHA TÉCNICA
Eliminatórias
14ª rodada — 16/11/2021

ARGENTINA (0)
Emiliano Martinez; Molina, Romero (Pezzella, 7'/2ºT), Otamendi e Marcos Acuña; De Paul, Paredes (Lisandro Martínez, int.) e Lo Celso (Domínguez, 40'/2ºT); Messi, Lautaro Martínez (Joaquín Correa, int.) e Di María (Álvarez, 29'/2ºT). Técnico: Lionel Scaloni.

BRASIL (0)
Alisson; Danilo, Marquinhos, Éder Militão e Alex Sandro; Fred e Fabinho; Raphinha (Antony, 23'/2ºT), Lucas Paquetá (Gerson, 33'/2ºT) e Vinícius Júnior; Matheus Cunha (Gabriel Jesus, 40'/2ºT). Técnico: Tite. 

CARTÕES AMARELOS: Lucas Paquetá, Fabinho (B), Paredes, Romero, Pezzella, Marcos Acuña (A).
ARBITRAGEM: Andres Cunha, auxiliado por Richard Trinidad e Nicolas Taran. VAR: Esteban Ostoijich (quarteto uruguaio).
PÚBLICO E RENDA: não divulgados.
LOCAL: Estádio Bicentenário, em San Juan (Argentina).

Próximo jogo
27/1 (data-base)
Equador x Brasil
Estádio Olímpico Atahualpa — Eliminatórias (15ª rodada)

 

Fonte: GZH

Mais notícias desta categoria

Publicidades