Publicidades

11/02/2022 | 08:14 | Educação | Três de Maio

Apaes do 3º Conselho participam de capacitações

Palestras ocorreram de forma on-line

Assessoria de Imprensa

Nesta semana, na terça e quarta-feira, as 14 Apaes que pertencem ao 3º Conselho das Apaes (dos municípios de Alegria, Boa Vista do Buricá, Braga, Campo Novo, Coronel Bicaco, Crissiumal, Giruá, Horizontina, Humaitá, Independência, Santo Augusto, São Martinho, Três de Maio e Três Passos) participaram de uma capacitação, visando o início do ano letivo, que ocorre na próxima semana.

As palestras, realizadas de forma on-line, por meio do Google Meet, foram assistidas pelos colaboradores das 14 Apaes, sendo que cada equipe esteve acompanhando de sua instituição, em virtude da pandemia.

A Apae de Três de Maio, que é sede do 3º Conselho, fez as saudações aos participantes e palestrantes. A diretora administrativa da instituição, Nadir Gabe, e a diretora pedagógica, Simone Rossi Tiecher, deram as boas-vindas e reforçaram a importância do engajamento dos funcionários apaeanos na busca de conhecimento e de motivação para o início de mais um ano letivo.

A performance humana nos grandes desafios físicos, intelectuais e sociais

Na terça-feira, dia 8, a palestrante Rosângela Ferigollo Binotto abordou sobre ‘A razão de ser:  performance humana nos grandes desafios físicos, intelectuais e sociais’.

Rosângela, que é Doutora em Gerontologia Biomédica, Especialista em Biologia do Crescimento e Mestre em Biociência, e possui mais de 30 anos na docência no Ensino Médio e Superior, teve como princípio básico de sua fala sobre rever e refletir sobre a importância do ser humano dentro do contexto de sua essência. “Trabalhamos a questão da performance e busquei avaliar quais aspectos são importantes hoje para que tenhamos condições, dentro da característica genética cognitiva, de desenvolver nosso trabalho.”

Ao longo do encontro, Rosângela reforçou sobre o princípio básico da vida e as competências humanas, e que, independentemente de qualquer especificidade anatômica, fisiológica, emocional e comportamental, temos uma essência de homem, do saber pensar, agir e entender e que busca desafios constantes.

“Trabalhar com educação especializada e com indivíduos que necessitam de um diferencial educacional é também levar em conta a sua capacidade individual como ser humano. Passamos por fases na vida e os educadores precisam ter consciência destas fases para saber lidar com as suas emoções e com as emoções das outras pessoas das quais socialmente somos gestores. A ciência constrói conhecimento e precisa, para isso, do homem com essência, e essa construção do conhecimento gera autonomia no ser humano”, destacou.

Educação na contemporaneidade e resiliência foram assuntos no segundo dia de capacitação

Na quarta, dia 9, pela manhã, a palestra foi com o professor Rodrigo Dalosto Smolareck. Doutor em Psicanálise e Educação e pós-doutor em Ciências da Educação, ele abordou sobre ‘Educação e o contemporâneo: sobre tempos pandêmicos e resiliências’.

Smolareck deu destaque à reconstrução social e educacional em face ao contemporâneo e aos desafios das políticas públicas educacionais para a diversidade e inclusão, abordando sobre os elementos e as competências que perfilam a atuação neste novo cenário.

“A competência humana está aliada às dimensões interpessoais, a competência conceitual está aliada à condição de saber sobre, e a condição técnica está aliada à condição de saber fazer. E, nesta perspectiva, abordamos sobre os desafios atrelados às dimensões de reorganização organizacional se tratando dos paradigmas emergentes e no novo modelo que se desenha, a projeção das relações estabelecidas e pensando na pedagogia do acolhimento como elemento indispensável para que possamos encontrar e dar sentido ao território das Apaes e das plataformas de educação especial e inclusiva.”

À tarde, dando sequência aos encontros, o professor Edson Mota Prestes discorreu sobre ‘Resiliência: capacidade de enfrentar e superar dificuldades’. Segundo ele, enfrentamos um período de nossa história humana repleto de desafios e dificuldades. “Apesar disso, não devemos pensar em desistir ou nos acomodar frente aos problemas. Pelo contrário, precisamos nos fortalecer interiormente para buscar soluções e partir para atitudes que sejam construtivas em nosso fazer, principalmente na área educacional em que as Apaes atuam”, destacou.

Para ele, uma palavra forte que representa essa nossa ação positiva de superação é a resiliência. “Nas ciências humanas, a resiliência representa a capacidade do ser humano de sobreviver a um trauma, uma perda, uma situação crítica ou problema que desafia a resistência do indivíduo (física, psicológica, afetiva, espiritual) e que desenvolve nele uma visão positiva e uma capacidade de se reconstruir.”

O professor Edinho apresentou alguns exemplos fortes sobre esta atitude chamada resiliência: Gabriela Andersen, Phillip Croizon, Jessica Cox e Viktor Frankl, que passaram por situações difíceis e desafiadoras. “Precisamos fazer o nosso trabalho com força, determinação e coragem, deixando marcas positivas na vida das pessoas com quem convivemos”, encerrou.

Ao fim das palestras, as diretoras Nadir e Simone agradeceram a presença das equipes apaeanas e desejaram um ótimo início de ano letivo às instituições. Na Apae de Três de Maio, as aulas retornam na segunda-feira, dia 14 de fevereiro, de forma presencial.

Fonte: Jaqueline Peripolli/Assessoria de Imprensa da Apae

Mais notícias desta categoria

Publicidades