Publicidades

15/06/2022 | 22:37 | Esporte

Inter vence o Goiás fora de casa e sobe para terceiro no Brasileirão

Edenilson e Alan Patrick marcaram os gols da vitória por 2 a 1, no Estádio Hailé Pinheiro

Edenilson (D) abriu o placar em Goiânia - HEBER GOMES/AGIF - AGÊNCIA DE FOTOGRAFIA / ESTADÃO CONTEÚDO

E o Inter de Mano Menezes, que agora não só não perde como também acumula vitórias? O 16º jogo seguido de invencibilidade da equipe veio acompanhado de um 2 a 1 diante de um time que costuma vender caro os confrontos em sua casa. No Hailé Pinheiro, o Estádio da Serrinha, Edenilson e Alan Patrick marcaram para o Colorado buscar três pontos do Goiás. O resultado manteve o time no G-4. Nesta quinta-feira (16), seca o São Paulo para permanecer na terceira posição do Brasileirão após 12 rodadas. E agora vêm aí dois compromissos no Beira-Rio, contra Botafogo e Coritiba.

Sem De Pena e Taison, suspensos, e Renê, lesionado, Mano Menezes seguiu a lógica nas substituições. Na lateral esquerda, entrou Moisés, naturalmente. No meio, o técnico escalou Gabriel, Johnny, Alan Patrick, Edenilson (que voltou após cumprir suspensão) e Wanderson aberto pela esquerda. Mais uma vez, David foi o centroavante. 

O Goiás começou a partida em ritmo alucinante. Aos 12 segundos, teve o primeiro escanteio. Que se transformou em mais um imediatamente após a cobrança. Neste, Elvis cobrou direto, fechado. A bola deu na trave, bateu em Moisés e só não entrou porque Mercado salvou em cima da linha. 

A resposta do Inter chegou aos seis com Wanderson. Ao seu estilo, partiu para cima da marcação, driblou dois e arriscou. Tadeu defendeu.

No minuto seguinte, o gol saiu. A jogada começou com Alan Patrick acionando Bustos, dentro da área, pela direita. O argentino chutou, a bola passou pelo goleiro, correu por cima da linha e pegou na trave. O rebote permaneceu com o Inter, que fez a bola rodar até Alan Patrick dar um passe na medida para Moisés. O lateral fez um cruzamento perfeito, rasteiro, para Edenilson pegar de primeira e abrir o placar. 

Logo depois do gol, o Goiás se atordoou e o Inter teve duas chances ótimas de encaixar o contra-ataque. Em ambas, porém, o jogador com a bola (em uma Alan Patrick, em outra David) errou a jogada e o time perdeu a chance.

A partida ficou morna, o que era bom para a equipe de Mano Menezes, de certa forma. Foram praticamente 15 minutos sem ações ofensivas producentes. Só aos 30 o Goiás levou perigo. Elvis chutou de fora da área e Daniel espalmou.

O time da casa só ameaçava em jogadas aéreas. E o Inter não conseguia nem cortar nem evitar que a bola fosse para escanteio. Aos 40, Elvis cobrou escanteio para a área, Da Silva saltou mais do que a defesa e desviou de cabeça: 1 a 1 no Hailé Pinheiro.

Pouco antes do intervalo, o confronto entre Edenilson e Tadeu ganhou dois novos capítulos. No primeiro, o camisa 8 ajeitou e encheu o pé da entrada da área. O goleiro salvou no susto. No segundo, o jogador colorado recebeu na área, após boa trama, e ficou cara a cara com o defensor goiano, que saltou em seus pés e evitou o drible e a conclusão.

O Inter voltou do vestiário sem trocas, enquanto o Goiás precisou tirar Pedro Raul, que bateu com a cabeça em um lance e se sentiu mal. E a equipe gaúcha manteve o ímpeto dos instantes finais da etapa inicial. E ainda no primeiro minuto, chegou ao segundo gol. 

Alan Patrick conduziu a bola pelo meio e encontrou Wanderson entrando pela esquerda. Ele passou ao atacante, que ajeitou e bateu. A bola desviou na defesa e correu a área. David acreditou, alcançou e cruzou para o meio, rasteiro. Alan Patrick, já sem goleiro, apenas encostou para o gol vazio.

A desvantagem tão cedo desnorteou o Goiás. O time da casa não conseguiu reagir e mais uma vez a partida ficou à feição do Inter. O pecado era não acertar o contra-ataque que liquidaria o jogo. Havia controle de ações, mas o placar seguia perigoso demais.

Aos 23, Mano fez suas primeiras trocas. Saíram Alan Patrick, David e Johnny, entraram Mauricio, Alemão e Liziero. Fôlego novo para tentar manter o bom desempenho e até, quem sabe, aumentar a vantagem.

Aos 35, Mano tirou Wanderson para a entrada de Pedro Henrique. Nos minutos finais, a última troca foi Moledo por Bustos. A ordem era, de fato, segurar a vantagem. Tudo certo. O Inter volta de mais uma viagem ainda sem conhecer derrota.

Fonte: GZH

Mais notícias desta categoria

Publicidades