Publicidades

20/07/2022 | 22:38 | Esporte

Em jogo de seis gols, Inter empata com o São Paulo e deixa o G-4 do Brasileirão

Time colorado ficou com 30 pontos e perdeu oportunidade de assumir a vice-liderança do campeonato

Pedro Henrique fez dois gols, mas mesmo assim o Inter não conseguiu sair com a vitória - Anselmo Cunha / Agencia RBS

Que jogo viram os mais de 32 mil torcedores que foram ao Beira-Rio. Inter e São Paulo protagonizaram uma partida de alta intensidade, de seis gols (cinco no primeiro tempo), na noite desta quarta-feira (20). Mas o 3 a 3 deixa um gosto amargo para os colorados. A equipe da casa esteve três vezes à frente do placar e permitiu a igualdade de um visitante recheado de reservas. Com o resultado, os gaúchos se afastam da briga pela liderança, mas permanecem no G-6 do Brasileirão a uma rodada do final do primeiro turno.

Mano Menezes escalou o time esperado, com os retornos de Moledo e Mercado à zaga, Moisés mantido na lateral esquerda para uma possível despedida no Beira-Rio. De resto, a equipe foi repetida na comparação com a de sábado passado. O São Paulo, sim, veio bastante modificado. Com mais de um time de desfalques e preservando outros atletas, Rogério Ceni montou um 3-5-2 com Rafinha de zagueiro pela direita, estreou Marcos Guilherme como ala pela esquerda mais Nikão e Luciano como dupla de ataque.

A verdade é que o jogo praticamente começou 1 a 0. No terceiro minuto de partida, o segundo útil (no primeiro, jogadores repetiram o protesto contra a Lei do Esporte), o Inter abriu o placar. Pedro Henrique aproveitou duas vezes duas falhas da defesa são-paulina. A primeira foi de Beraldo, que deixou a bola quicar e perdeu na corrida. Precisou fazer falta, ao lado da área. De Pena cobrou com perfeição, na cabeça de Pedro Henrique, de novo, sozinho. O goleiro Thiago Couto ainda se atrapalhou e deixou a bola entrar. 

A vantagem, porém, se esvaiu em seis minutos. Igor Vinícius tabelou com Luciano, recebeu nas costas de Moisés. Com espaço, ele levantou a cabeça e cruzou rasteiro para Nikão, já sem goleiro, apenas empurrar para a rede: 1 a 1.

A partida seguiu animada. Primeiro, o São Paulo levou perigo, quando Beraldo cabeceou por cima. Depois, De Pena bateu de fora da área, perto da trave.

Aos 21, o Inter teve uma chance clara. Alemão deu um drible desconcertante em Rafinha, deixou-o sentado no chão, invadiu a área e bateu cruzado. Pedro Henrique passou-se da bola e Mauricio não alcançou. Tiro de meta.

No ataque seguinte, o Inter voltou à frente. Começou graças a Heitor. O lateral deu dois carrinhos perfeitos no meio-campo para recuperar a bola. A bola chegou a De Pena, que achou um espaço milimétrico às costas de Rafinha. Alemão recebeu no fundo, equilibrou-se e fez um cruzamento na medida para Pedro Henrique cumprimentar o goleiro: 2 a 1. O VAR chegou e dois minutos depois, o gol foi confirmado.

Mas o Inter, novamente, ficou desatento e perdeu a vantagem. Em menos tempo do que no 1 a 0. Quase um replay. Gabriel foi desarmado na saída de bola, o time se recompôs mas ainda assim Luciano encontrou um espaço no lado esquerdo da defesa colorada. Ele cruzou rasteiro e Nikão, mais uma vez, só completou. Antes de meia hora, 2 a 2.

O ritmo do jogo era alucinante. E, novamente, o São Paulo foi punido por tentar fazer cera. Desta vez foi Rodrigo Nestor, que caiu em uma dividida e ficou deitado. O Inter atacou, com autorização do árbitro. Edenilson conduziu a bola e percebeu a movimentação de Alemão. O passe foi na medida. O centroavante entrou na área e foi derrubado pelo goleiro. Pênalti. Edenilson, aos 40, cobrou bem, Thiago Couto se esticou e chegou a tocar na bola, mas não o suficiente. Cinco gols, um primeiro tempo animadíssimo, Inter 3 a 2.

Incrivelmente, a trave impediu que ocorresse mais uma vez o empate do São Paulo pouco depois de um gol do Inter. Luciano, aos 47, recebeu na área e bateu em curva, no ângulo. O poste salvou Daniel e garantiu a vantagem até o intervalo.

Johnny foi a novidade colorada para a segunda etapa. Ele voltou do vestiário na vaga de Mauricio. Em cinco minutos, o Inter já estava aumentando a vantagem. Em uma tabela pela direita, Pedro Henrique recebeu na frente, pela direita, entrou na área e cruzou para trás. Johnny passou da bola e Rafinha fez contra. O auxiliar assinalou impedimento, confirmado pelo VAR um minuto depois.

Pois a sina seguiu mesmo quando o gol foi invalidado. Aos nove, Rafinha, como lateral ofensivo, fez um cruzamento na medida para Luciano desviar de cabeça, tirar de Daniel e novamente empatar: 3 a 3.

Aos 15, o Inter por pouco não voltou à frente. Pedro Henrique escorou para Alemão, que lançou Johnny. O meia entrou na frente do goleiro e bateu levemente desequilibrado, Thiago Couto salvou. Foi a última ação de Alemão, que deu lugar a Wanderson. Com a troca, Pedro Henrique ficou mais centralizado. 

A bola aérea se mostrava uma boa arma para o Inter. Aos 22, De Pena cobrou falta para a área e Moledo, sozinho, cabeceou para fora. A bola ficou um pouquinho mais alta do que esperava. Aos 24, nova jogada de ataque. Wanderson tentou o drible, perdeu a bola, mas Pedro Henrique pegou a sobra. Arriscou, a defesa cortou, Edenilson pegou a sobra e Pedro Henrique tentou de novo, por cima. 

Mais uma vez por cima, o Inter fez o goleiro são-paulino trabalhar. De Pena cobrou escanteio, Moledo cabeceou e Thiago Couto defendeu sem rebote.

Aos 36, Mano fez as últimas trocas. Tirou os dois laterais, Heitor e Moisés, e De Pena, para colocar Estêvão, Thauan Lara e David. Na nova formação, Pedro Henrique foi para a direita, Wanderson ficou na esquerda e David virou centroavante. 

O Inter se atirou para o ataque, mas não teve forças para fazer o quarto gol. O São Paulo esteve perto de virar, com Luciano chutando e Daniel defendendo. O empate permaneceu, em um dos grandes jogos do Brasileirão.

Fonte: GZH

Mais notícias desta categoria

Publicidades