Logomarca Paulo Marques Notícias

03/04/2024 | 05:52 | Polícia

Polícia Civil encontra possível depósito de armas e drogas em Porto Alegre

Ação da 1ª Delegacia de Homicídios apreendeu pistolas com seletores de rajadas e carregadores, além de 1.503 munições, cocaína, maconha tipo skunk e crack

Ação da 1ª Delegacia de Homicídios apreendeu pistolas com seletores de rajadas e carregadores, além de 1.503 munições, cocaína, maconha tipo skunk e crack
Agentes da 1ª DHPP efetuaram apreensão de drogas e armas nesta terça-feira em ação no bairro Bom Jesus. Ronaldo Bernardi / Agencia RBS

Uma operação na manhã desta terça-feira (2) levou agentes da Polícia Civil até o local apontado como centro de distribuição de drogas, no bairro Bom Jesus, na zona leste de Porto Alegre. A ação aconteceu depois que a investigação apurou informações sobre o planejamento de ataques por uma organização criminosa contra rivais, que ocorreriam na Capital. Assim, os policiais chegaram a uma residência seria utilizada para manutenção de arsenal e como base de preparação para homicídios.

— A polícia conseguiu localizar esta casa, no coração da Bom Jesus, que era utilizada como depósito de armas e drogas. Foram apreendidas armas, kit para rajadas e carregadores estendidos, material destinado à prática de crimes, provavelmente execuções — pontua a titular da 1ª Delegacia de Homicídio e Proteção à Pessoa da Capital (DHPP), delegada Clarissa Demartini.

Conforme a delegada, os agentes apreenderam 1.503 munições e três pistolas calibre 9 milímetros, mais de dois quilos de cocaína, quase oito quilos de maconha tipo skunk e 160 gramas de crack, além de miguelitos (hastes de metal retorcidas usadas para furar pneus), balanças de precisão, plásticos para embalar drogas em porções e um caderno com anotações sobre movimentação financeira.

O local, descreve Clarissa, tem estrutura que sugere ter sido recentemente utilizado como moradia, pois mantinha divisão de cômodos e mobiliário. Porém, o que os policiais observaram, aponta a delegada, é que não havia roupas e estoque de alimentos, como é comum em casas ocupadas.

— Sugere para a gente a hipótese de que há pouco tempo havia uma família naquela casa, mas o local pode ter sido deixado pela imposição do tráfico. Isso está sendo investigado — diz a delegada.

Armamento
Clarissa afirma que a casa alvo da operação seria base para a preparação de atentados orquestrados pelo crime organizado. 

— A gente observa o poderio bélico dessa organização criminosa, desses indivíduos que agem com extrema frieza. Observa também o volume de munições. O que se vê aqui são kits de rajadas, que fazem com que o poder letal dessa armas, agora apreendidas, seja muito maior  — destaca.

A delegada afirma que as investigações prosseguirão para identificar pessoas responsáveis pela manutenção e guarnição do local e também das conexões que podem levar aos financiadores da operação.

Fonte: GZH
Mais notícias sobre POLÍCIA