Publicidades

18/09/2015 | 14:18 | Praia Notícias | Geral

Rio Araranguá transborda no Sul de SC e ruas da cidade são interditadas

Nível chegou a 2,44, mas baixou para 2,35 até perto das 12h desta sexta

Rio Araranguá chegou a 2,44, mas baixou na sexta-feira (18) (Foto: Denise de Medeiros/RBS TV)

O Rio Araranguá, na cidade de mesmo nome do Sul catarinense, transbordou e o nível da água chegou a 2,44 metros. Segundo a Defesa Civil municipal, desde quinta-feira (17) algumas áreas ficaram alagadas, mas o nível está baixando rapidamente e chegou a 2,35 m por volta das 12h desta sexta (18). Algumas ruas foram interditadas por causa dos alagamentos e por problemas de deslizamentos ou erosão.
A situação está sendo monitorada pela Defesa Civil. Segundo o coordenador do órgão, Paulo Roberto Oliveira, nenhuma família ficou desalojada ou desabrigada no município e a situação está dentro da normalidade.
"Esta água veio de Timbé do Sul e chegou cerca de 12 horas depois. Agora ela está baixando rapidamente por causa da vazão no mar, mas continua chovendo e estamos monitorando a situação", afirma.
O Rio Araranguá recebe a água de afluentes de outros municípios da região Sul, como Meleiro, Timbé do Sul, Jacinto Machado, Turbo e Ermo. Como continua a chover na região, a situação é de alerta. Na manhã desta sexta, a Defesa Civil estadual reforçou o aviso para o Sul catarinense.
Alerta da Defesa Civil
Segundo o aviso oficial, em um período de 48 horas entre quarta (16) e esta sexta- feira, algumas cidades chegaram a registrar acumulado de chuva de 100 a 180 milímetros. Ainda pode chover forte nesta sexta.
A Defesa Civil informou que em vários municípios o solo está saturado e os rios cheios, por isso, reforça a atenção para risco de inundações, alagamentos e deslizamentos de terra.
Os municípios que requerem mais atenção, segundo a Defesa Civil estadual são: Timbé do Sul, Morro Grande, Meleiro, Ermo, Santa Rosa de Lima, Sombrio, Forquilhinha, Orleans, Jacinto Machado, Araranguá, Garopaba, São Joaquim, Nova Veneza, Santa Rosa do Sul, Grão Pará, Içara, Nova Veneza, Criciúma, São Martinho, Rio Fortuna, Balneário Gaivota, Anitápolis, Jaguaruna, Armazém, Braço do Norte, São Bonifácio e Laguna.
Timbé do Sul
A Defesa Civil regional informou que Timbé do Sul foi um dos municípios mais atingidos no Sul do estado. Segundo Joselia Scot Pezente, coordenadora do órgão municipal, a situação na cidade melhorou com relação a quinta-feira.
As aulas nas redes estadual e municipal foram retomadas. Das três comunidades que ficaram isoladas, apenas uma continua nesta situação porque a estrutura de uma ponte foi danificada. Não há registro de desalojados ou desabrigados.
Na localidade de Da Boit, entre Siderópolis e Nova Veneza, aviários tiveram os telhados destruídos pelo granizo. Pela manhã, técnicos foram até as localidades e avaliaram os estragos. Rosinei da Silveira, coordenador da Defesa Civil estadual informou que seis aviários e quatro casas ficaram destelhados por causa da chuva de pedras, no município de Siderópolis. Ainda não há confirmação sobre o número de animais afetados.
Segundo a Defesa Civil regional, na manhã desta sexta, técnicos estavam avaliando estragos em outras cidades do Sul. Em Criciúma, o muro de uma escola caiu com o medidor da Celesc e bloqueou parte da rua e entrada. Será analisada a necessidade de interdição da área. Tubarão teve ruas alagadas.
Granizo, chuva e vento
A frente fria que atinge Santa Catarina fez com que pelo menos 50 cidades do estado registrassem chuva forte e alagamentos entre quarta (16) e a madrugada desta sexta-feira (18). O levantamento da Defesa Civil estadual, divulgado por volta da 8h, indica que ao menos 39 municípios tiveram granizo e 10 algum tipo de dano.
O maior problema ficou concentrado no Sul catarinense, onde a chuva forte gerou alagamentos e deixou três cidades com localidades isoladas: Timbé do Sul, Jacinto Machado, Balneário Rincão. Em Orleans, Grão Pará e Timbé do Sul, as aulas chegaram a ser suspensas na quinta-feira para garantir a segurança de alunos e funcionários.
Outras cidades do estado tiveram algum tipo de problema por causa do granizo, chuva ou vento forte. Em Palhoça, na Grande Florianópolis, 80 telhados de casas ficaram danificados pela chuva de gelo. No Norte, Joinville teve a queda de um muro; Timbé, no Sul, também registrou deslizamento de um muro de contenção.
Em Frei Rogério e Monte Carlo, na Serra e Oeste, o granizo gerou danos para a agricultura. Dona Emma, no Vale do Itajaí, registrou vendaval e uma casa foi afetada.
Outras ocorrências foram em São Joaquim, mas não constam no relatório oficial. Bocas de lobo transbordaram e a água invadiu uma casa na parte alta da cidade. No bairro Jardim Bandeira, bombeiros também ajudaram moradores de uma casa invadida por um rio que transbordou. Pelo menos duas famílias ficaram ilhadas.
Já no Vale, em Itajaí, a Rua 7 de Setembro ficou alagada e teve que ser drenada. O trecho perto do terminal rodoviário precisou ser fechado.
Alerta segue até o final de semana
A Defesa Civil de Santa Catarina informou que o alerta de altos níveis de chuva, possibilidade de granizo e fortes ventos está mantido até o final de semana.
"Até [sexta] há possibilidade de chuva mais significativa, deve perdurar com mais intensidade. Sábado (19) ainda tem ocorrência de chuva, com menor intensidade", diz o diretor de Prevenção da Defesa Civil, major Fabiano Souza. Sul e a Serra são as regiões com maior precipitação, vento e ocorrência de granizo, mas todas as regiões devem ser afetadas.
De acordo com Souza, os moradores de regiões de áreas de risco devem prestar atenção aos sinais e acionar a Defesa Civil quando houver indícios de problemas.

Fonte: G1

Mais notícias desta categoria

Publicidades